• Saúde Bucal Em Pacientes Gastroplastizados

    Saúde Bucal Em Pacientes Gastroplastizados

    Postado por: Dra. Juliana Lemes
    Categoria: Dentista de Sucesso

    A cirurgia de redução de estômago, ou cirurgia bariátrica, é uma das opções de tratamento da obesidade e o número de cirurgias realizadas no Brasil aumentou consideravelmente, não sendo raro o atendimento de um paciente gastroplastizado no consultório odontológico.

    Mas você sabe que tipo de alterações bucais esses pacientes podem apresentar e como deve orientar o tratamento dentário deles?

    Eu, como Dentista e gastroplastizada, afirmo: ocorrem mudanças significativas e as dúvidas em relação à saúde da boca são mais frequentes do que imaginamos nessa população.

    É muito importante, desde o início do acompanhamento pré-operatório do paciente, a avaliação clínica, adequação de meio e orientações de higiene bucal nos pacientes que serão submetidos ao procedimento de redução de estômago. Mais importante ainda é quando a equipe médica trabalha em conjunto com o Dentista e o Nutricionista, áreas diretamente relacionadas com a ingestão de alimentos.

    Após a cirurgia é muito comum o relato de aspereza nos dentes e de secura na boca, bem como áreas irritadas e descamadas de tecido mole. Tudo isso acontece em virtude da diminuição da ingestão de líquidos nos primeiros meses pós-bariátrica, até que o paciente se acostume com a nova quantidade e qualidade da alimentação.

    A ingestão de água é muito importante para a manutenção da fluidez da saliva. Quando o paciente ingere menos água, a saliva fica mais pastosa e não consegue “lavar” o meio bucal adequadamente. Essa condição transitória de diminuição do fluxo salivar favorece a irritação da mucosa bucal, que se manifesta como áreas avermelhadas, descamadas e doloridas, seja na gengiva, língua ou mucosa da bochecha. Com a menor produção de saliva, também ocorrem mudanças na capacidade de neutralização dos ácidos produzidos pelas bactérias cariogênicas e maior possibilidade de acúmulo de placa bacteriana e desmineralização da superfície do esmalte.

    O acúmulo de placa também está diretamente relacionado com a dieta: no primeiro mês a dieta é menos consistente, o que diminui o atrito do alimento e a remoção mecânica grosseira da placa bacteriana que se acumula na superfície dental. Até que os alimentos sejam reintroduzidos e a consistência da alimentação deixe de ser líquida e/ou pastosa, o paciente vai relatar que os dentes estão ásperos.

    Qual o papel do Dentista na nova realidade do gastroplastizado?

    • - Adequar o meio bucal por meio de raspagens e polimento dental;
    • - Identificar e tratar lesões de cárie;
    • - Orientação de higiene: técnicas de escovação, aplicação tópica de flúor e prescrição de enxaguatório bucal sem álcool e utilização do fio dental;
    • - Esclarecer o paciente sobre as alterações bucais decorrentes da mudança alimentar do paciente: boca seca, gengiva irritada, áreas descamadas, etc;
    • - Orientar o paciente quanto à ingestão de líquidos e a relação da hidratação com a qualidade da saliva;
    • - Exame de tecidos moles para verificar lesões pré-existentes;
    • - Acompanhamento radiográfico das superfícies interproximais, em especial de molares e pré-molares após a realização do procedimento cirúrgico;
    • - Acompanhamento clínico do paciente após a cirurgia, com revisões periódicas, em especial durante o período de mudança de dieta (líquida, pastosa, branda) até que ela se normalize;

    Como sempre falamos, o paciente precisa ser visto como um todo e é muito importante o contato do Dentista com a equipe médica para dar o devido suporte ao paciente.

    Juliana Lemes*Juliana Lemes é graduada pela UNESP-SJC, atua em clínica geral e estética dental. Dentista 10h por dia, “escritora” nas horas vagas e “maquiadora” de vez em quando - das resinas, dos clareamentos, dos sorrisos e dos pincéis!

    Deixe seu comentário