• Clareamento dental: mitos e verdades, parte final

    Clareamento dental: mitos e verdades, parte final

    Postado por: EuAmoOdonto
    Categoria: Saúde/Bem-estar

    O blog Eu Amo Odonto encerra hoje a publicação da série 'Clareamento dental: mitos e verdades', elaborada pela FGM - líder nacional na venda de clareadores dentais e empresa parceira da Dental Speed Graph.

    Nas últimas duas semanas, publicamos a primeira e segunda partes da série, que visa ajudar o cirurgião-dentista a desvendar alguns mitos de clareamento dental entre seus pacientes.

    Confira os últimos 'mitos e verdades' a respeito de clareamento dental:

    8. O processo de clareamento dental provoca efeitos colaterais

    VERDADE! Estes efeitos são tranquilamente sanados pelo profissional, de forma que o mesmo seja sempre confortável ao paciente. Hipersensibilidade térmica, irritação na gengiva e danos ao esmalte são apenas alguns destes efeitos danosos do clareamento que podem ser perigosos caso este seja realizado sem supervisão profissional.

    9. Todas as restaurações já existentes no paciente que faz clareamento devem ser trocadas

    DEPENDE! As restaurações nunca são clareadas, pois não sofrem ação do gel clareador. Elas não têm dano, desde que o clareamento seja conduzido adequadamente e com produtos de qualidade. Portanto, o planejamento realizado pelo profissional em conjunto com o paciente deve contemplar que após o clareamento, devem ser trocadas as restaurações que oferecem comprometimento estético. Cabe ressaltar que algumas manchas pré-existentes também podem sobressair-se após o procedimento, devendo ser identificadas previamente para que não haja insatisfação do paciente após o tratamento.

    10. Escovas de dente com fitas de titânio ajudam a prolongar o resultado do procedimento

    DEPENDE! A higiene bucal, quando realizada da maneira correta, mantém a saúde bucal e aumentar a longevidade dos tratamentos (restaurações, clareamento etc.). porém, uma escova de qualidade não é o único fator para termos saúde bucal. Como qualquer outra, esta deve ser utilizada de maneira correta e com frequência ideal.

    LEIA A PRIMEIRA PARTE DA SÉRIE!
    LEIA A SEGUNDA PARTE DA SÉRIE!

    Deixe seu comentário