• Clareamento Dental

    Clareamento Dental

    Postado por: Dra. Juliana Lemes
    Categoria: Dentista de Sucesso

    Em tempos onde o padrão estético é cada vez mais exigente, não é raro o Dentista ser questionado sobre “dentes brancos”. Para atender as necessidades do cliente/paciente que nos procura, precisamos saber orientá-lo corretamente sobre os procedimentos que podem ajudá-lo a conquistar um sorriso bonito e harmônico.

    O clareamento dental, ao contrário de procedimentos como os tão famosos laminados cerâmicos, promove uma melhora na tonalidade dos dentes sem deixá-los com aspecto artificial, mantendo o degrade natural das cores que compõe a estrutura dental, translucidez e brilho além de deixar os dentes com aspectos de “mais limpos”.

    Mesmo com muitos estudos científicos que provam que o clareamento é um procedimento seguro e eficaz, muitos colegas ainda são reticentes quanto à indicação e realização do tratamento.

    O processo pode ser realizado em dentes vitais e não vitais (quando o canal foi tratado), tanto em casa quanto em consultório. A escolha da maneira como será realizado varia, basicamente, de acordo com as necessidades do paciente.

    Produtos com peróxido na composição (de hidrogênio ou carbamida) são colocados em contato com a estrutura, por um determinado tempo, durante algumas semanas e, por meio de reação química, os produtos resultantes da quebra dos peróxidos causam a remoção dos pigmentos que estão na dentina, camada inferior ao esmalte dental.

    Para a técnica de consultório, os produtos possuem alta concentração de peróxido, enquanto para a técnica caseira, menores concentrações são administradas. Em ambos os procedimentos é necessário o acompanhamento do Dentista para orientação correta, proteção dos tecidos moles e registro da cor após a realização do tratamento.

    Vamos falar das técnicas de clareamento de dentes vitais:

    CLAREAMENTO DE CONSULTÓRIO

    Após profilaxia dos dentes com pasta de pedra pomes, utilizamos vaselina sólida para a proteção dos lábios contra possíveis queimaduras causadas pelo peróxido e, também, para a acomodação dos afastadores labiais (que vão impedir que bochecha e língua entrem em contato com o gel). Roletes de algodão são posicionados no fundo de saco gengival (ou fundo de sulco) e é realizado o vedamento da gengiva marginal com barreiras gengivais, compostas de resinas fluidas fotopolimerizáveis. Após polimerização da barreira, é feita uma checagem com espelho clínico, no sentido inciso-cervical, para verificar se ficou algum ponto sem recobrimento de barreira. Se sim, acrescentamos material, polimerizamos e fazemos outra checagem. Os procedimentos que visam à proteção dos tecidos moles são muito importantes, pois o princípio ativo pode causar queimaduras e lesões no paciente.

    Clareador

    A manipulação do produto varia de fabricante para fabricante. Uns possuem frascos diferentes de peróxido e espessante para serem manipulados em determinada proporção, outros trabalham com o esquema de seringas acopladas, outros com sistema de caneta com o produto já manipulado, pronto para a aplicação.

    O produto é colocado na superfície do gel e sua ação ocorre entre 45 minutos e 1 hora.

    Há estudos que relatam a não necessidade de fonte luminosa (laser ou led) para a ativação do gel e, também, da não necessidade de troca do produto durante a aplicação em virtude da manutenção do pH do material. A principal justificativa para a não utilização de fonte luminosa é o aquecimento da superfície do gel que pode resultar em sensibilidade pós-operatória.

    Após o tempo de ação, o excesso do produto é removido com o auxílio de sugadores endodônticos ou cirúrgicos, a superfície dental é lavada e pode-se ou não aplicar substâncias dessenssibilizantes para diminuir a dor pós-operatória. Realizamos polimento na superfície dental e repetimos essa sequencia, semanalmente, durante quatro semanas. (A repetição por no mínimo quatro semanas é um procedimento que eu adotei no meu consultório e, havendo necessidade, agendo mais consultas para o paciente).

    CLAREAMENTO CASEIRO

    Após moldagem e confecção de modelo, é feita uma placa em silicone, individualizada, que respeita as características da mordida e das inserções musculares do paciente. O profissional entrega as placas e a seringa de gel clareador. O produto pode ser utilizado por 1h ou 4h, dependendo do peróxido. Para o hidrogênio, 1 hora de duração, enquanto a carbamida necessita de no mínimo 3 horas de ação até que haja toda a quebra do princípio ativo. A quantidade de seringas fornecidas pelo Dentista varia de acordo com a necessidade do tratamento.

    Moldeira

    Moldeira

     

    Uma pequena quantidade de gel é aplicada na moldeira, de acordo com instrução do Dentista. Caso o paciente coloque muito material, o extravasamento causará queimaduras na gengiva, adormecimento da língua e, até mesmo lesões ulceradas em tecidos moles.

     

    Essas foram razões que fizeram com que as fitas branqueadoras, vendidas em farmácias, fossem retiradas do mercado. Por se tratar de um produto capaz de causar lesões, o procedimento NECESSITA DE ACOMPANHAMENTO PROFISSIONAL.

    ORIENTAÇÕES AOS PACIENTES

    • - Sempre entregue uma cartinha ao paciente com as orientações por escrito. Leia com ele e tire as dúvidas que surgir no ato da consulta.
    • - Eu oriento meus pacientes a evitar corantes por 48h após a realização do procedimento de consultório e durante o tratamento caseiro. Porém estudos recentes provam que essa restrição não é necessária e que não influencia no resultado do tratamento.
    • - Em se tratando de clareamento caseiro, eu costumo entregar a seringa  sem o rótulo do material por um motivo: algumas farmácias de manipulação, ao lerem o rótulo, fazem o produto e entregam ao paciente sem prescrição. Já vivenciei essa situação e não repito mais. Eu mostro ao paciente o produto, a validade do material e removo o rótulo, colando-o na ficha clínica do paciente.
    • - Clareamento é um procedimento que acontece de dentro da estrutura dental para fora. Portanto, cremes dentais com a denominação “branqueadora” não serão capazes de alterar a cor dos dentes.
    • - Sensibilidade pós-operatória é normal. Geralmente ocorre um “latejar” de alguns dentes, em especial caninos e incisivos inferiores. A dor é transitória e varia de paciente para paciente. Alguns sentem, outros não. Pode-se fazer uso de analgésicos para melhora dos sintomas, sempre com prescrição do Dentista.
    • - Os dentes não voltam à cor inicial. O maior problema que temos é: o paciente se acostuma com os dentes brancos. Por isso é muito importante realizar registro da cor (principalmente fotográfico), mostrar para o paciente, anotar no prontuário e fazê-lo assinar.
    • - Chega um certo momento em que os dentes não clareiam mais. Isso se chama “Ponto de Saturação”. O paciente precisa ser orientado em relação a isso. O excesso de clareamento dental, em vez de deixar os dentes mais claros, fará com que eles percam o brilho, adquirindo o aspecto de “casca de ovo” (brancos e opacos).
    • - Sobre retoques: a cada 18 ou 24 meses caso haja necessidade.

    Clareamento é um procedimento seguro, que aumenta o brilho do sorriso e que contribui para a melhora da autoestima dos pacientes.

    Aproveite e faça com que seus pacientes brilhem cada vez mais! 


    Juliana Lemes é graduada pela UNESP-SJC, atua em clínica geral e estética dental.
    Dentista 10h por dia, “escritora” nas horas vagas e “maquiadora” de vez em
    quando - das resinas, dos clareamentos, dos sorrisos e dos pincéis!

    Dra Juliana Lemes

    Deixe seu comentário