• A Revisão Clínica

    A Revisão Clínica

    Postado por: EuAmoOdonto
    Categoria: Mercado

    Um paciente do sexo masculino com 34 anos, extremamente infeliz com seu sorriso, cuja maior preocupação era “o espaço entre seus dentes frontais.” Um exame clínico revelou diversos diastemas, diversas lesões cariosas, restaurações descoloridas, e uma discrepância no tamanho e no formato (Figura 26). Após serem discutidas as opções de tratamento com o paciente, e levadas em consideração as restrições financeiras do paciente, foi decidido restaurar os seis dentes anteriores superiores com revestimentos compostos pré-fabricados para reestabelecer o tamanho e o formato dos dentes e melhorar a estética do seu sorriso.

    A cor da dentina escolhida foi A2/B2 e a cor do esmalte foi branco opalescente (Figura 27). Como no caso clínico 1, foi escolhido o tamanho “G” com a ajuda do Guia de Perfil (Figura 28). Após aplicação de anestesia local e colocação do dique de borracha, os dentes foram preparados. Após o condicionamento ácido, enxágue e aplicação do adesivo (Figuras 29 e 30), o adesivo foi fotopolimerizado. A resina composta manchada da dentina foi reanatomizada a partir do aspecto lingual dos revestimentos para fechar a diastema, seguida pela fotopolimerização da lingual por 40 segundos. Todas as as etapas clínicas subsequentes foram idênticas as do caso clínico 1, exceto pelas etapas restauradoras para fechar o diastema da linha média. Vistas pós-operatórias são mostradas nas Figuras 31 e 32. A Figura 33 mostra uma vista não-retraída 2 semanas após o procedimento adesivo.

    DISCUSSÃO

    As resinas compostas estão disponíveis em diferentes cores e opacidades para corresponder às características óticas do esmalte e da dentina. A resina composta mais atual copia a aparência de um dente natural quando usada com a técnica de estratificação natural. Uma das vantagens dos revestimentos compostos direta sem manuseio é a necessidade de  poucas consultas quando comparada com revestimentos processados em laboratório, já que não é exigida moldagem para os revestimentos compostos diretos. Vários relatos clínicos corroboraram o sucesso das resinas compostas nos revestimentos diretos e em grandes restaurações anteriores. Contudo, os compostos diretos relataram sofrer descoloração superficial e marginal, desgaste e lascadura marginal.

    O conceito de revestimentos de resinas pré-fabricadas em uma visita não é novo. No começo dos anos 1980, foram introduzidos revestimentos de acrílico pré-fabricados como um Sistema de Revestimentos Laminado de Mástique (Caulk, Milford, DE EUA). O entalhe da superfície dos revestimentos mastigatórios era condicionado com ácido poliacrílico e então adaptado ao esmalte condicionados por ácido usando a fotopolimerização no composto e uma resina adesiva. Os revestimentos de mástique tiveram sucesso limitado devido às limitações tecnológicas e à pobre qualidade da superfície.

    Estudos clínicos confirmaram o bom desempenho dos revestimentos das restaurações em porcelana, com excelentes estética, satisfação total do paciente e sem efeitos adversos nos tecidos periodontais. Um estudo recente 21  avaliou 318 revestimentos cerâmicos em 84 pacientes ao longo de 10 anos. A probabilidade de sobrevivência estimada foi de 93,5% em 10 anos.

    Dado que a principal razão para o fracasso foi a fratura da cerâmica, o aumento das taxas de insucesso foi associado ao bruxismo e dentes desvitalizados.

    Não foi encontrada nenhuma diferença significativa nas deficiências absolutas entre os revestimentos compostos indiretos e os revestimentos de cerâmica em até 36 meses. As mudanças na qualidade da superfície foram observadas com mais frequência no material revestimento composto, que exige mais manutenção ao longo do tempo.

    Neste estudo, o grupo dos revestimentos laminados compostos 22 possui duas fraturas coesivas, indicando que força adesiva da interface foi maior que a força coesiva do material composto indireto. Um estudo in vitro23  também descreveu fraturas coesivas como sendo a falha predominante para as mesmas resinas indiretas testadas no estudo clínico. O resultado clínico dos revestimentos indiretos depende da força de duas interfaces - o dente / cimento resinoso e o revestimento/interfaces do cimento resinoso. Um estudo recente sobre a força da adesão relatou que os revestimentos pré-fabricados Componeer resultaram em forças de adesão do microcisalhamento estatisticamente similares àqueles de IPS e.max Press (Ivoclar Vivadent, Schaan, Liechtenstein) condicionados por ácido 24  quando os respectivos compostos adesivos e de vedação foram aplicados ao entalhe da superfície.

    As altas forças adesivas obtidas entre o entalhe da superfície do Componeer e os respectivos compostos híbridos podem ser resultado de dois mecanismos:

    1   – Uma forte camada adsorvida de materiais de polímero no entalhe da superfície. Esta adsorção é uma consequência de um aumento inicial na taxa de ionização dos grupos carboxílicos no One Coat Bond devido à produção de ácido através de fotoiniciador.24,25

    2 – Funcionalidades residuais reativas do metracrilato no entalhe na superfície podem formar uma rede com o agente adesivo após a polimerização, a qual, juntamente com as características umectantes do 2-hidroxietil metacrilato 26,27  no One Coat Bond, podem explicar as relativamente altas forças adesivas associadas com a junta adesiva formada pelo revestimento pré-fabricado, a dentina adesiva e a resina composta híbrida direta.

    A técnica clínica descrita neste artigo tem potencial para ser usada rotineiramente para alongar os dentes anteriores, corrigir dentes mal posicionados, mascarar descolorações e fechar diastemas. A técnica também pode ser usada para restaurar lesões extensas de cárie e fraturas de dente, e para reformar grandes restaurações antigas anteriores, especialmente quando outras opções de tratamento estão fora de alcance para o paciente. Embora esta técnica tenha mostrado resultados promissores, estudos clínicos controlados são essenciais para validar o uso geral desta técnica na prática clínica.

    CONCLUSÃO

    Os revestimentos compostos pré-fabricados possuem algumas vantagens nas restaurações compostas diretas, já que só é preciso uma única sessão sem a necessidade de tirar moldagens ou trabalho laboratorial.  Além disso, as restaurações podem ser personalizadas (cor eformato) e são mais acessíveis que outras restaurações indiretas, resultando em um resultado muito estético. É fundamental avaliar o comportamento clínico desta técnica restauradora antes de recomendá-la para a prática geral.

    AUTORIZAÇÃO DE DIVULGAÇÃO

    O autor Jorge Perdigão recebeu duas bolsas de pesquisa da Coltene.

    REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

    16.  Peumans M, Van Meerbeek B, Lambrechts P, Vanherle G. The 5-year clinical performance of direct composite additions to correct tooth form and position. II. Marginal qualities. Clin Oral Investig 1997;1:19–26.

    17.  Peumans M, Van Meerbeek B, Lambrechts P, Vanherle G. The 5-year clinical performance of direct composite additions to correct tooth form and position. I. Esthetic qualities. Clin Oral Investig 1997;1:12–8.

    18.  Wolff D, Kraus T, Schach C, et al. Recontouring teeth and closing diastemas with direct composite buildups: A clinical evaluation of survival and quality parameters. J Dent 2010;38:1001–9.

    19.  Dietschi D, Devigus A. Prefabricated composite veneers: Historical perspectives, indications and clinical application. Eur J Esthet Dent 2011;6:178–87.

    20.  Jensen ØE, Soltys JL. Six months clinical evaluation of prefabricated veneer restorations after partial enamel removal. J Oral Rehabil 1986;13:49–55.

    21.  Beier US, Kapferer I, Burtscher D, Dumfahrt H. Clinical performance of porcelain laminate veneers for up to 20 years. Int J Prosthodont 2012;25:79–85.

    22.  Gresnigt MM, Kalk W, Özcan M. Randomized clinical trial of indirect resin composite and ceramic veneers: Up to 3-year follow-up. J Adhes Dent 2013;15:181–90.

    23.  Gresnigt MMM, Özcan M, Muis M, Kalk W. Bonding of glass ceramic and indirect composite to non-aged and aged resin composite. J Adhes Dent 2012;14:59–68.

    24.  Perdigão J, Sezinando A, Muñoz MA, et al. Prefabricated veneers—bond strengths and ultramorphological  analyses. J Adhes Dent 2014;16:137–46.

    25.  Sahin G, Albayrak AZ, Bilgici ZS, Avci D. Synthesis and evaluation of new dental monomers with both phosphonic and carboxylic acid functional groups. J Polym Sci Part A Polym Chem 2009;47:1953–65.

    26.  Moszner N, Salz U, Zimmermann J. Chemical aspects of self-etching enamel-dentin adhesives: A systematic review. Dent Mater 2005;2:895–910.

    27.  Nakabayashi N, Takarada K. Effect of HEMA on bonding to dentin. Dent Mater 1992;2:125–30.Reimpressão: Jorge Perdigão, DMD, MS, PhD, Professor, Universidade de Minnesota, Departamento de Ciências Restauradoras, Divisão de Dentística, 515 SE Delaware St, 8-450 Moos Tower, Minneapolis, MN 55455, EUA. Tel.: 612-625-8486; Fax: 612-625-7440; E-mail: perdi001@umn.edu.

    • Visão frontal pré-operatória mostrando um diastema da linha média moderado entre os incisivos centrais superiores, lesões cariosas, restaurações descoloridas e a discrepância no tamanho e no formato.

      Visão frontal pré-operatória mostrando um diastema da linha média moderado entre os incisivos centrais superiores, lesões cariosas, restaurações descoloridas e a discrepância no tamanho e no formato.

    • Visão frontal com o guia de cores escolhido.

      Visão frontal com o guia de cores escolhido.

    • Escolha de tamanho no Componeer.

      Escolha de tamanho no Componeer.

    • As preparações foram condicionadas por ácido com 35% de ácido fosfórico.

      As preparações foram condicionadas por ácido com 35% de ácido fosfórico.

    • Aplicação do adesivo dentinário One Coat Bond

      Aplicação do adesivo dentinário One Coat Bond

    • Visão frontal pós-operatória

      Visão frontal pós-operatória

    • Visão frontal pós-operatória.

      Visão frontal pós-operatória.

    • Vista não-retraída com 2 semanas de pós-operatório.

      Vista não-retraída com 2 semanas de pós-operatório.

    Visão frontal pré-operatória mostrando um diastema da linha média moderado entre os incisivos centrais superiores, lesões cariosas, restaurações descoloridas e a discrepância no tamanho e no formato.
    Visão frontal com o guia de cores escolhido.
    Escolha de tamanho no Componeer.
    As preparações foram condicionadas por ácido com 35% de ácido fosfórico.
    Aplicação do adesivo dentinário One Coat Bond
    Visão frontal pós-operatória
    Visão frontal pós-operatória.
    Vista não-retraída com 2 semanas de pós-operatório.

    Deixe seu comentário